Com a matéria “A criminalidade não poupa sequer as praças de pedágio”, jornalista foi a vencedora na categoria Jornalismo Especializado

A jornalista Sandra Cunha foi a vencedora da segunda edição do Prêmio ABCR de Jornalismo, na categoria Jornalismo Especializado, cuja cerimônia aconteceu no Riocentro, durante o 4o Congresso Brasileiro de Concessão de Rodovias. Promovido  pela  Associação Brasileira  de  Concessionárias  de Rodovias,  o  prêmio  tem  por  objetivo incentivar  a  publicação  de matérias e o debate de idéias sobre o Programa Brasileiro de Concessão de Rodovias. Foram  premiados  os  melhores trabalhos nas seis categorias: Jornalismo  Impresso  Especializado, Jornalismo Impresso Não-Especializado, TV, Rádio, Internet e Foto-jornalismo.

Na categoria Jornalismo Especializado, a matéria intitulada “A criminalidade não poupa sequer as praças de pedágio”, publicada na revista Security, que circulou entre janeiro e fevereiro deste ano, a jornalista Sandra Cunha alerta sobre o problema dos assaltos nas praças de pedágio e destaca as medidas adotadas pelas concessionárias e pela Polícia Militar para coibir esse tipo de ação.

A reportagem “Calamidade”, dos jornalistas Aduari  Antunes Barbosa, Bernardo  de  La  Pena, Chico  Oliveira,  Heliana  Frazão, Isabela  Martin,  Letícia  Lins  e  Roberta Canetti, de O Globo, revela como a redução de investimentos públicos nos últimos anos levou as rodovias brasileiras a uma situação crítica,  aumentando  o  número  de mortes e a  ação  de  assaltantes  nas estradas.

A série que conquistou o prêmio na categoria TV, “Estradas e Rodovias”, do Jornal Nacional, produzida pelos jornalistas César Menezes, Francisco Tostes Walcacer, Paulo Renato  Soares e  Roberto  Machado  Filho,  da  TV Globo, mostra o trabalho de duas equipes que efetuaram um trajeto que já havia sido percorrido há três anos e traçaram uma radiografia de duas estradas que cruzam o País. O repórter César Menezes saiu de Fortaleza com  destino  a  Porto Alegre  pela  BR-116.  A  equipe  do jornalista Paulo Renato Soares fez o caminho inverso, pela BR-101. Foram percorridos mais de 4 mil quilômetros, quando os repórteres mostraram o que encontraram diariamente e o que efetivamente mudou no percurso.

A  reportagem  de  Daniel  Scola  “Rotas  de  fuga”, veiculada na Rádio Gaúcha e vencedora da categoria Rádio, aborda um importante problema do setor de concessão de rodovias: as rotas de fuga. O jornalista descreve  o  trajeto  efetuado pelos  motoristas  que buscam  fugir  de  pedágios  da  rodovia  RS-122,  em Caxias do Sul. Na e


A matéria “A outra face da concessão”, de Simone Perez, vencedora  da  categoria  Internet  e  publicada no site www.webdiario.com.br, mostra duas faces das rodovias privatizadas:  a  necessidade do  pagamento  para  o  uso  da rodovia e as ações de melhorias nas  estradas  propiciadas  por meio do valor pago pelo usuário.  Após  sete anos  do  início do programa de concessões no Estado de São Paulo, a repórter traça um perfil das obras e dos programas  socioeducativos realizados  na  ViaOeste,  em São Paulo.strada de terra batida, motoristas arriscam a vida e têm prejuízos para evitar pagar a tarifa cobrada pela concessionária.

O trabalho  “Retratos  do Brasil”, do fotógrafo José Luis da Conceição, de O Estado de São Paulo, mostra  a  dificuldade de motoristas e trabalhadores em trafegar pela rodovia Cuiabá Santarém,  a  BR-163,  que ainda não está completamente pavimentada.

O  Prêmio  ABCR  de Jornalismo,  mais  do  que  incentivar os jornalistas a informar sobre o setor de concessão de rodovias do País, premia o profissionalismo  e  reforça  a  convicção de  que  atuar  nessa profissão exige  extrema  responsabilidade, visto que o papel do jornalista é informar certo, mais e melhor, sempre.